O mistério da eleição

Eleição

O evangelista São Marcos fala algo interessante sobre o momento em que Jesus seleciona os seus 12 apóstolos: “[O Senhor] subiu ao monte e chamou os que ele quis (Mc 3, 13). Aqui nos deparamos com um mistério profundo: a eleição feita por Cristo não é baseada em atributos físicos, intelectuais ou sociais. A eleição é baseada na simples (e perfeita) vontade de Deus.

Eu fico imaginando como eu escolheria os apóstolos, caso essa missão fosse minha. Afinal, depois da ressurreição de Cristo, seriam eles os pilares da Igreja e os responsáveis pela evangelização do mundo. Não é pouca coisa! É provável que eu privilegiasse as pessoas com uma boa oratória, ou que escrevessem bem.

Talvez eu fizesse até uma espécie de “processo seletivo” – como estes que existem hoje em dia para o preenchimento de uma vaga de emprego. Eu perguntaria: “Qual o seu nível de lealdade no trabalho em equipe”? (O que será que Judas responderia nessa?). No fim das contas, seriam escolhidos os mais inteligentes e preparados para uma futura missão religiosa.

Mas Deus não pensa como os homens. Jesus selecionou aqueles que, teoricamente, seriam descartados pelas regras dos processos seletivos atuais. E isso não é novidade alguma na Bíblia: quando Deus mandou o profeta Samuel ir à casa de Jessé para ungir o futuro rei, o profeta (muito humanamente) pensou que o escolhido fosse um dos filhos mais fortes ou inteligentes. Deus, porém, havia escolhido o pequenino Davi e explicou: “O homem vê a face, mas o Senhor olha o coração” (I Sm 16, 7).

QUAL SERIA, AFINAL, A MINHA VOCAÇÃO?

E aqui nós entramos em um tema absolutamente importante para quem deseja viver segundo a vontade de Deus. Trata-se da escolha da vocação. “Vocatio” (palavra latina) significa “chamado”. Em outras palavras, Deus nos chama para fazer algo ou para viver de determinada maneira. É um convite!

É comum os jovens católicos se perguntarem, de maneira bastante devota, sobre: “qual vocação eu deveria escolher?”. Os rapazes cogitam talvez um sacerdócio ou um matrimônio feliz. As moças podem pensar em um hábito de carmelita ou em um varal repleto de roupas de bebê. 

No entanto, por mais bela que seja, a pergunta deveria ser invertida. Ao invés de indagar sobre o que “eu” deveria escolher, o ideal seria questionar sobre o que Deus reservou para mim. (Lembre-se que “vocação” significa “chamado”; e que quem chama é o próprio Senhor).

É belíssimo considerar que Deus nos pensou em todos os detalhes. Ele não apenas escolheu a cor dos meus olhos, como também definiu meu temperamento. Não apenas delineou meu tipo sanguíneo, como também ponderou os dons que me seriam próprios. Deus pensou em mim e gritou meu nome por toda a eternidade!

Não é exagero dizer que o Senhor já designou uma vocação desde o momento da nossa concepção. Isso é bíblico. Veja o que Deus revelou a Jeremias: “Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia; antes de teu nascimento, eu já te havia consagrado, e te havia designado profeta das nações (Jr 1, 5). Algo semelhante é reconhecido pelo rei Davi no Salmo 138.

MAS A ELEIÇÃO DE DEUS ROUBA A MINHA LIBERDADE?

Alguém poderia se insurgir e afirmar: “Então quer dizer que eu não sou livre para escolher o que quiser?”. A resposta é simples: Sim, todos nós somos livres e temos a capacidade de optar por outros caminhos (ainda que nenhum caminho te conduza a uma felicidade igual ao caminho planejado pelo Criador). Lembre-se: Deus nos faz um convite, não uma intimação.

O fato é que, ao sermos criados, Deus fez escolhas por nós. Algumas escolhas são mais evidentes e não podemos interferir, como o seu sexo (homem ou mulher), os seus pais biológicos, o seu tipo físico e até a sua dignidade (ou seja, o chamado a ser um batizado filho de Deus).

Porém, outras escolhas feitas pelo Senhor são mais ocultas em um primeiro momento. Afinal, você seria chamado ao sacramento do Matrimônio? Ou talvez ao sacramento da Ordem? E ainda: sendo uma ou outra opção, será que Deus infundiu em você um Carisma específico a ser vivido em alguma associação religiosa? Ou, quem sabe, não exista uma eleição para uma Comunidade Nova?

Eu concordo que é difícil fazer um discernimento correto a respeito destas questões. Seria bem mais fácil que, no momento do parto, Deus já enviasse uma plaquinha com todas as indicações do seu plano divino… Mas, se Deus quis que tivéssemos esta “dificuldade”, Ele certamente possuía uma boa razão (Ele sempre possui as melhores razões!).

O fato é que a nossa eventual eleição a um Carisma ou algum outro chamado deve ser descoberto através de muita oração, reflexões e intimidade com o Altíssimo. O Senhor gosta disso. A busca pela minha vocação, se bem vivida, me conduzirá diretamente a uma união maior com Deus. 

A ELEIÇÃO É APENAS PARA OS PERFEITOS?

E aqui eu retorno à reflexão inicial do texto. Não pense que a eleição a um Carisma ou a alguma consagração esteja atrelada com certa perfeição ou santidade de vida. Muitas pessoas deixam de pensar em uma entrega total a Deus em razão do seu passado ou de alguma luta específica contra o pecado. Costumam imaginar: “Certamente, Deus escolherá pessoas melhores do que eu”.

Quanto engano! Lembre-se de que Jesus “subiu ao monte e escolheu os que ele quis (Mc 3, 13). Chamou até mesmo Mateus, que era cobrador de impostos e considerado um traidor pelo próprio povo. Pedro, que possuía aquela impulsividade que bem conhecemos. Judas Iscariotes… Os critérios do Senhor estão infinitamente acima dos nossos.

Inverta a lógica disso: talvez, a eleição para um Carisma seja o remédio que eu tanto preciso para encontrar a minha via de santidade. Vai saber se Deus não me escolheu, justamente, porque eu seria fraco se prosseguisse pelas minhas próprias forças. Novamente, cabe a nós perguntar: Qual o meu chamado? Qual a minha eleição?

Que a Virgem Santíssima, Rainha dos Céus, auxilie a todos nós na descoberta da nossa vocação e nos ajude a vivê-la com a radicalidade própria dos santos!

 

Rafael Aguilar Libório
Consagrado da Comunidade Católica Pantokrator

Tags:

  ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●  

Compartilhe:

2 respostas

  1. Muito bom o texto , incrível que sempre que busco um artigo para formação encontro vocês
    Deus abençoe muito vocês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça a sua doação e ajude a manter a nossa comunidade ativa e próspera

Conteúdos Relacionados

Natureza da Família

Ao criar o homem e a mulher, Deus instituiu a família humana e dotou-a de sua constituição fundamental. Seus membros são pessoas iguais em dignidade.

Leia mais »
Ao continuar a navegar ou clicar em "Aceitar todos os cookies", você concorda com o armazenamento de cookies próprios e de terceiros em seu dispositivo para aprimorar a navegação no site, analisar o uso do site e auxiliar em nossos esforços de marketing.
Políticas de Cookies
Configurações de Cookies
Aceitar todos Cookies
Ao continuar a navegar ou clicar em "Aceitar todos os cookies", você concorda com o armazenamento de cookies próprios e de terceiros em seu dispositivo para aprimorar a navegação no site, analisar o uso do site e auxiliar em nossos esforços de marketing.
Políticas de Cookies
Configurações de Cookies
Aceitar todos Cookies