Filhos de dois pais

O movimento gay tem mobilizado ações em vários campos para nos convencer da naturalidade (para daí afirmar a normalidade) da união homoafetiva. Dentre tantas, surgem ações para mostrar que crianças educadas por casais gay são normais, e que a figura materna ou paterna pode ser exercida por um dos dois (ou os dois mesmo) do sexo oposto. Nesse sentido surgem entrevistas, filmes e novelas e até canções que apregoam a naturalidade de ser filho de dois pais ou duas mães.

As pesquisas têm confirmado o senso comum que vê a importância de que uma criança seja educada em uma família inteira: um pai, uma mãe e irmãos. A falta de uma realidade, até mesmo de irmãos, ou da harmonia entre os pais gera impactos na vida da criança. Claro que esses impactos podem ser muito amenizados ou potencializados se unidos a outros fatores sociais, psíquicos, espirituais e mesmo familiares, a tal ponto que qualquer criança, mesmo que tenha tido péssimas condições, pode vir a ser uma pessoa maravilhosa.
Por outro lado surgem argumentos e até mesmo pesquisas que supostamente mostram a normalidade da educação de crianças por dois pais ou duas mães. Particularmente olho essas pesquisas com muita reserva porque temos visto a comunidade científica estar sujeita e manipulada por lobbys ideológicos e financeiros.
Pesquisas contra pesquisas, argumentos contra argumentos, mas temos os fatos que nos interrogam: será que esses “casais” que geralmente têm comportamentos extravagantes e irreverentes (basta ver a parada gay) estão preparados para educar uma criança? Será que relações tão instáveis, como geralmente o são as homoafetivas, são ambiente adequado para crianças? Será que filhos adotados têm a mesma condição de crescer de forma sadia quanto os filhos naturais? Será que um homem é realmente capaz de ser mulher e exercer o dom de quem tem ou pode ter um ser humano em seu ventre? Em fim, será que é natural (de acordo com a natureza) uma relação sexual “conceber” filhos sendo que os dois têm pênis e o único orifício disponível entre eles é o mesmo em que saem as fezes?
O senso comum, sem a influência de lobbys, mas seguindo a consciência humana, sempre deu respostas seguras para essas perguntas. Será que esse senso, ou seja, a consciência humana civilizada, sempre esteve enganada e somente agora uma minoria organizada vai tirar a humanidade das trevas? Essas ousadias dessas minorias modernas, mas com o poder de mídia, mais parecem aqueles adolescestes que descobriram a vida, e, cheios de hormônios e desejos de emoções, querem convencer que os pais sempre estiveram errados em seus valores. O que eles fazem são coisas como destruir o carro do pai em uma aventura emocionante. Será correto entregar as crianças para essa aventura de adolescentes da humanidade?
André Luis Botelho de Andrade
Fundador e Moderador Geral da Comunidade Católica Pantokrator

Compartilhe:
Faça a sua doação e ajude a manter a nossa comunidade ativa e próspera

Conteúdos Relacionados

Tempo

O Tempo

Como diz o Livro do Eclesiastes, capítulo 3, há um tempo para cada coisa, tempo de nascer, plantar, de esperar, de colher etc. Isso é

Leia mais »

0 resposta

  1. Boa tarde!
    Vocês estão sendo carrascos de pessoas que não conhecem, disseminando ódio e preconceito, falando em nome de um Deus, que tenho certeza que não comunga com esta atitude.
    As pessoas pensam que todos os homossexuais são promíscuos, que não tem uma união estável, que vivem trocando de parceiros.
    Existe sim pessoas homossexuais que vivem desta forma, como existem as heterossexuais que também vivem desta forma.
    E porque tem que ser regra para os homossexuais.
    Vocês falam de valores! Quantos de vocês bebem, brigam na frente de seus filhos, maltratam seus companheiros, esses falsos valores que vocês impõem mais não seguem, mentem em nome da normalidade.
    Sou homossexual, tenho um relacionamento estável de muitos anos, baseado em respeito e fidelidade.
    Temos um filho, que hoje tem 8 anos, e é criado como menino.
    Temos muito respeito por nosso filho, coisa que em muitos casais heterossexuais não existe.
    Temos uma vida normal, somos mulheres e desta forma nos vestimos.
    Ensinamos a nosso filho que o importante é respeitar as pessoas e suas diferenças, não estamos criando um macho, preconceituoso e sim um homem de caráter.
    Quantos heterossexuais preconceituosos, traem suas esposas ou seu maridos, levando-os a riscos, que vocês rotulam como sendo de homossexuais.
    Não se pode rotular todas as pessoas, somente porque alguns agem de forma promíscua, devemos respeitar a individualidade de cada um.
    Também não exponho meu filho a pessoas que tem comportamento dúvidoso, seja de homossexuais ou heterossexuais, pois não aceito esse tipo de comportamento seja de quem for.
    Essa hipocrisia de generalizar as pessoas é uma coisa maldosa.
    No intimo vocês sabem que falo a verdade, quantos de vocês já não traíram a pessoa , por quem juraram fidelidade perante Cristo?
    Deveriam se informar melhor sobre casais gays, que levam uma vida honesta, com respeito, e criam seus filhos com muito amor.

  2. Andréia
    A opção sexual não define o caráter da pessoa, e por isso acreditamos que entre heterossexuais e homossexuais existem pessoas boas, íntegras, bem intencionadas, bem como ao contrário. Tampouco a dignidade humana é definidada por essa opção e por isso todos devem ser respeitados, inclusive no direito de expressão. Na verdade o que está em discussão, muito mais do que a homossexualidade em si, é a grandeza do amor humano e como se deve vivê-lo no seu fator mais elementar na pessoa humana, que é a sexualidade. O amor humano, que espelha o Divino, especialmente o afetivo-sexual que vai constituir um casal e uma família, exige alguns elementos essenciais: a complementaridade sexual (que inclui aspectos biológicos, psicológicos e espirituais), a indissolubilidade, a fidelidade e a possibilidade de gerar filhos. Qualquer união afetivo-sexual, hetero ou homossexual que não inclui essas realidades, mesmo de maneira imperfeita, não é adequada em si mesma. Uma relação homossexual, mesmo que brilhantemente inclua a possibilidade da indissolubilidade e fidelidade, não contempla a complementaridade nos termos sexuais e a possibilidade da geração da vida.
    Vivendo numa sociedade democrática, queremos poder livremente expressar nossa opinião que se baseia não somente na fé, mas em elentos antropológicos, na experiência de anos lidando com pessoas e casais, inclusive homossexuais, e no senso de milhões de pessoas pelo mundo. Pena que o diálogo entre as partes não tem sido feito de maneira livre, e a grande maioria, que acredita que a família só pode ser constituída a partir da heterossexualidade homem-mulher, permaneça calada e acuada mediante o lobby gay e a agressividade da parte de muitos que defendem a causa gay.

  3. Gostaria de parabenizar a vocês da Pantokrator por revelar a verdade do envangelho na sua integra, que a tanto tempo a Igreja vem anunciando corajosamente, apesar das investidas de satanás durante estes dois séculos.

  4. Sr André,
    Enquanto isso a igreja se veste em pele de cordeiro e abafa a pedofilia, a luxúria, a traição e a ambição. E por meio de chantagem, propõe mandar para o inferno quem descorda de sua instituição.
    Humilha o povo que tem fé e faz com que o outro confunda fé com religião.
    Ainda por cima, o senhor Andre Luis expõe em seu texto que a igreja se baseia não somente na fé, mas também na antropologia para apontar que deve amar quem.
    Pois bem; quanto a fé, essa foi dada por Deus que nos fez livres, portanto padres, pastores ou aqueles que se dizem um estudioso da bíblia quando apontam um dedo para o outro, outros dedos de sua própria não apontam e voltam-se contra seus próprios pecados.
    Quanto a antropólogia, o o senhor Andre está equivocado quanto ao que entende dessa ciência ou está tentando enganar ao leitor desse site.
    Veja:
    Antropologia é a ciência que tem como objeto o estudo sobre o homem e a humanidade de maneira totalizante, ou seja, abrangendo todas as suas dimensões. A divisão clássica da Antropologia distingue a Antropologia Cultural da Antropologia Biológica. Wikipédia
    Estude a antropologia cultural e veja que a igreja surgiu pela ganância de reis e rainhas que enganaram o povo de FÉ apartir de suas próprias vontades de diminuir a renda do povo e aumentar suas riquezas.
    Essa mesma antropólogo mostra que no passado era normal a relação homossexual entre os mais ricos e estudiosos de sua época, mas a igreja com todo seu poder de sedução resolveu que queria mais e mais riqueza e a partir dai perseguiu os praticantes da homossexualidade para tomar suas riquezas.
    Já na antropologia biologia/física veja diversos tipos de animais com práticas homossexuais e até mesmo bisexuais https://mundoanimal66.blogspot.com.br/2013/01/10-animais-homossexuais.html?m=1
    Por tudo não podemos aceitar ser chamados de burros pela igreja que engana e mente para seus fiéis somente com um intuito; enriquecer.
    Att,
    Fernando Maciel de Moura Carvalho

    1. Caro Fernando,
      Seu email exigiria longas explicações. Mas me reduzo a colocar algumas coisas:
      – A Igreja Católica tem sua origem com Jesus e os Apóstolos, e entre tantas provas disso está a sucessão apostólica, ou seja, se voltar na história, verá que do Papa atual chegará em Pedro, e de qualquer bispo legitimamente ordenado chegará em algum dos apóstolos. Se você for ler a história procurando ver justificativas para acusar a Igreja disso e daquilo, vc vai encontrar. Mas se estudar a história de forma imparcial, vai ver que, em meio a fraquezas humanas, existe uma história digna, repleta de serviço à humanidade, zelosa dos melhores valores e coerente com o chamado à profecia de Jesus a Pedro “Sobre ti edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão sobre ela”. O incrível é que, em meio a tantos erros humanos, e a gente poderosa querendo destruí-la de todas as formas, a Igreja prevaleceu nesses 2 mil anos de história. Realmente, ela não é só humana, tem algo de misterioso nessa instituição milenar, que nem mesmo os erros de seus membros, que são humanos, puderam derrubar. A Igreja é uma instituição divina. Somente isso pode explicar que ela tenha subsistido.
      – A Igreja é na história – e ainda hoje é – incomparavelmente a maior instituição de caridade do mundo.
      – Contra fatos não há argumentos. Da Igreja Católica, a sociedade ocidental herdou suas melhores práticas e noções de respeito humano: o cuidado dos pobres, a hospedagem aos peregrinos (daí surge a hotelaria), o cuidado dos doentes (daí surgem os hospitais), o cuidado dos presos (daí surgem as penitenciárias, cujo nome deriva de ideia de penitência), o cuidado dos idosos. Sei que vai te surpreender, mas foi a Igreja que valorizou a mulher mediante as culturas ultra machistas da antiguidade e as culturas bárbaras (que invadiram e dominaram o Império Romano a partir dos séculos IV e V).
      – Da Igreja surgiram as Universidades em plena Idade Média, simplesmente porque, ao invés do que ensinou a propaganda iluminista e protestante e que chegou a nós como verdade absoluta, a Igreja era, sim, estimuladora das ciências. Hoje, o Vaticano promove e estimula as ciências de diversas maneiras, destacando as “Pontifícias Academias”, dentre elas, a Pontifícia Academia das Ciências (fundada em 1603 com o nome de Academia dos Linces, do qual, pasme, Galileu foi membro) em que tem em seu quadro vários prêmios Nobel (os mais recentes, de que tenho notícia: o físico alemão Klaus von Klitzing e o químico taiwanêsYuan Tseh-Lee.
      – O próprio conceito de “Direitos Humanos” é herança da Igreja; o Direito Internacional tem suas origens na Igreja, a partir de seu caráter de universalidade;
      – Pedofilia, luxúria acontecem em todos os ambientes e em todas as épocas. Se fizer uma pesquisa séria, verá que, dentre profissões que lidam com jovens, a porcentagem de pedofilia entre padres é insignificante (do ponto de vista de números, embora 1 padre que o faça seja verdadeiramente um absurdo).
      Leia o livro: “Como a Igreja Católica Construiu a Civilização Ocidental”, de Thomas E. Woods JR., Ed. Quadrante.
      – Quanto à homossexualidade, a Igreja jamais julga ou condena qualquer pessoa. O que ela preza é que as pessoas permaneçam na verdade e para isso, condena a mentira, o erro, o engano, a maldade, mas não as pessoas que os praticam, uma vez que ela tem a missão de conduzir todos à senda da verdade e do bem, numa palavra, nà felicidade. O que o papa Francisco anda dizendo sobre isso não é novidade. Leia, no Catecismo da Igreja Católica, o que é dito sobre isso. O que a Igreja ensina é que o amor humano só encontra sua plenitude no amor fiel, indissolúvel entre um homem e uma mulher, e coloca esse amor como modelo para nossa sociedade, preservando e valorizando os nossos jovens. O modelo há de ser o amor entre um homem e uma mulher, não por razões religiosas ou éticas, mas com vistas à própria preservação da espécie.
      Quanto a práticas homossexuais entre animais, tenho duas considerações: converse com um biólogo sério e vc verá que a maioria dessas práticas nada tem de afetivo, mas é forma de manifestação de domínio de um (macho, por exemplo) sobre outro mais fraco. Ademais, para ter um comportamento digno, o homem não deve buscar referência entre as práticas do mundo animal, que lhe é inferior (uma vez que os animais não são dotados de razão e de sentimentos que elevam a alma).
      Sobre ideologia de gênero, sugiro a vc o vídeo: https://lucianoayan.com/2013/08/13/para-levar-a-loucura-as-feministas-radicais-e-o-movimento-lgbt-como-harald-eia-abalou-a-ideologia-de-genero/
      Caro, Fernando, tantas coisas poderiam ser ditas. Sei que dizer isso é bem estranho para você, mas a verdade é que a Igreja Católica é um bem incomparável para a humanidade, mesmo que o mundo atual, num espírito de adolescente, queira negar totalmente a história e herança dos pais. Daí surgem inúmeras propagandas com pouco fundamento histórico, mas que enganam, porque são baseados em meias verdades, argumentos contraditórios de pessoas que são colocados em evidência, enquanto um indiscutível serviço à humanidade é silenciado. A verdade é que “uma árvore que cai faz mais barulho que o crescimento de um bosque inteiro”. São mais de 2 mil anos de história, serviço, cultura. O homem do século XXI pode, sim, questionar, mas deveria respeitar esse imenso patrimônio cultural, caritativo, institucional que herdou, graças à atuação da Igreja Católica Apostólica Romana.
      Olha Fernando, se não quiser passar raiva, não assista. Mas, se você quiser dar um espaço para uma nova forma de ver as coisas, assista ao vídeo: “Católicos, voltem para a casa”, no YouTube. Há uma versão traduzida para o português.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ao continuar a navegar ou clicar em "Aceitar todos os cookies", você concorda com o armazenamento de cookies próprios e de terceiros em seu dispositivo para aprimorar a navegação no site, analisar o uso do site e auxiliar em nossos esforços de marketing.
Políticas de Cookies
Configurações de Cookies
Aceitar todos Cookies
Ao continuar a navegar ou clicar em "Aceitar todos os cookies", você concorda com o armazenamento de cookies próprios e de terceiros em seu dispositivo para aprimorar a navegação no site, analisar o uso do site e auxiliar em nossos esforços de marketing.
Políticas de Cookies
Configurações de Cookies
Aceitar todos Cookies