Afetividade adoecida: o que fazer?

Afetividade

Acredita-se que a afetividade seja um dos pontos cruciais do ser humano. Ela pode ser definida como um “conjunto dos fenômenos afetivos (tendências, emoções, sentimentos, paixões, etc.” e “força constituída por esses fenômenos, no íntimo de um caráter individual” (1). Inúmeros elementos externos e internos podem influenciar a afetividade humana e, muitas vezes, conduzi-la a um desequilíbrio e até mesmo adoecê-la. No decorrer desse texto, refletiremos sobre a afetividade dentro de uma dimensão espiritual, no que diz respeito à relação do homem com Deus. 

O Amor de Deus e a afetividade humana

Deus é Amor! (2) Deus é a fonte do Amor! E Ele deseja profundamente que experimentemos o Seu Amor por nós! 

Para que esse encontro de Amor fosse possível, Deus, no momento de nossa criação, colocou uma profunda sede em cada um de nós. Todo ser humano tem sede do Eterno! Isso significa que todos nós somos carentes, alguns mais e outros menos. Essa carência é necessária para que busquemos algo além de nós, além do amor humano, um Amor transcendente, que nos ultrapassa! Só o Amor Divino nos sacia e nos eleva à estatura de filhos de Deus!  

É esse Amor Divino, Eterno e Incondicional que equilibra e cura a afetividade humana, quando doecida, e ordena todos os nossos demais amores. Saciados pelo Amor de Deus, somos capazes de viver os nossos relacionamentos de forma equilibrada e saudável. 

O Amor de Deus não é abstrato, mas é concreto!

O Amor de Deus não é abstrato. Ele é concreto e real! Podemos experimentá-lo verdadeiramente e é desejo de Deus que o façamos. Peça a Deus que lhe conceda essa graça! Busque a Deus de todo o coração e você o experimentará, pois Ele é o próprio Amor! (3)

 O Amor de Deus age em nós com poder! Ele nos sacia, nos suporta, nos equilibra, nos cura e nos eleva! Alicerçados nesse Amor, somos capazes de viver a nossa afetividade sem com que ela se torne uma montanha russa diante dos altos e baixos causados pelos nossos sentimentos, emoções e pelas realidades que a vida nos apresenta.  

O Amor Divino também nos revela o nosso real valor e a nossa dignidade de homens e mulheres amados por Deus. É ele que nos dá a coragem para reconhecermos os problemas em nossos relacionamentos, tomarmos decisões maduras e conscientes e, muitas vezes, colocarmos um fim em relacionamentos que não são saudáveis, mas abusivos e escravizadores. Não podemos ser subjugados por nossas paixões desordenadas ou por nossas carências afetivas. Só o Amor nos faz livres! 

É possível ser feliz sozinho?

Embora muitos temam a solidão, ela é um lugar privilegiado de encontro com Deus! 

O Amor de Deus opera em todas as dimensões da vida humana, inclusive nas questões emocionais e físicas. Muitos solteiros, assim como eu, não se relacionam amorosamente há alguns anos. Como qualquer homem e mulher, temos as nossas necessidades físicas e afetivas, mas com a graça de Deus e sustentados pelo Seu Amor, seguimos firmes na esperança de viver relacionamentos castos e saudáveis, conforme a vontade de Deus e nossa

É esse Amor que sustenta os viúvos diante das perdas de seus amados e todos aqueles que sofrem por luto ou dores afetivas, seja em que situação for, para que encontrem a força necessária para seguir seus caminhos. Também é fundamental que, dentro do matrimônio, os cônjuges tenham, como centro de suas vidas afetivas, o Amor de Deus a fim de viverem uma relação saudável e harmoniosa entre si e manterem-se fiéis um ao outro. 

No entanto, ainda que uma certa dose de solidão seja saudável e até libertadora, “não é bom que o homem esteja só” (4).  Não devemos viver um individualismo, nem um ostracismo, mas o dom de si!

Seja qual for a realidade em que você se encontra hoje, coloque sua afetividade diante de Deus para que Ele possa curá-la e ordená-la em Seu Amor! 

Que o Bom Deus nos abençoe! 

Adriane Luz
Consagrada da Comunidade Católica Pantokrator

 

  1. Dicio – dicionário online de português https://www.dicio.com.br/afetividade/
  2. Cf. I Jo 4,8
  3. Cf. I Jo 4,8
  4. Gen 2,18
Tags:

  ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●    ●  

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça a sua doação e ajude a manter a nossa comunidade ativa e próspera

Conteúdos Relacionados

Ao continuar a navegar ou clicar em "Aceitar todos os cookies", você concorda com o armazenamento de cookies próprios e de terceiros em seu dispositivo para aprimorar a navegação no site, analisar o uso do site e auxiliar em nossos esforços de marketing.
Políticas de Cookies
Configurações de Cookies
Aceitar todos Cookies
Ao continuar a navegar ou clicar em "Aceitar todos os cookies", você concorda com o armazenamento de cookies próprios e de terceiros em seu dispositivo para aprimorar a navegação no site, analisar o uso do site e auxiliar em nossos esforços de marketing.
Políticas de Cookies
Configurações de Cookies
Aceitar todos Cookies